terça-feira, 21 de maio de 2013

Feijão Tropeiro


Olá, pessoal!
Tudo bem?
Hoje temos uma receita bastante tradicional do interior do Brasil, e que é, sem sombra de dúvidas, muito gostosa: o feijão tropeiro.
Vale mencionar, de início, que a diferença básica entre o feijão tropeiro e o tutu de feijão (cada qual com uma infinidade de variações) é que o tutu é feito, em geral, com os grãos de feijão amassados de forma a produzir uma pasta,
enquanto o feijão tropeiro é feito com os grãos inteiros, em uma espécie de farofa!
Para fazer o prato de hoje, buscamos inspiração em uma receita tradicional goiana (que também é muito comum em outros Estados como Minas Gerais e São Paulo, por exemplo), mas tomamos a liberdade de fazer algumas simplificações, para facilitar o serviço, sem, todavia, prejudicar o resultado.
Há quem diga que a receita já era presente na alimentação tradicional dos bandeirantes paulistas, e que depois continuou sendo muito utilizada por tropeiros que faziam rotas entre o Estado de São Paulo e diversos recantos deste País (como Minas Gerais, Goiás e as regiões mais meridionais, até o Rio Grande do Sul).
O sabor e as texturas desta receita ajudam a entender porque ela resiste tão bravamente ao tempo...
Vamos logo a ela!


Ingredientes:

3 conchas de feijão carioquinha previamente cozido
4 colheres de sopa de farinha de mandioca flocada
2 colheres de sopa de farinha de milho flocada
2 ovos
150g de linguicinha defumada
1 cebola em rodelas
4 pimentas do tipo "comari do Pará", ou 2 malaguetas (bem picadinhas)
cheiro verde
sal


Modo de Fazer:

Em uma panela, coloque para refogar a linguicinha cortada em pedaços de aproximadamente meio centímetro.


Quando a linguicinha estiver ficando dourada, junte a cebola, e vá mexendo, para não deixar nada queimar.


Quando a cebola estiver transparente, junte os dois ovos e sal a gosto (lembrando que quase tudo que vai nesta receita já está temperado, e que o sal é apenas para acertar os ovos e a farinha). Aqui vai uma dica: quebre os ovos, um a um, em uma xícara, para depois colocar na panela, para não correr o risco de quebrar um ovo estragado em cima dos demais ingredientes.


Quando notar que a clara está ficando branca, quebre as gemas.


Quando as gemas estiverem ganhando consistência, dê uma boa mexida (e tome muito cuidado para não deixar queimar).


Adicione o feijão pré-cozido, e mexa bem.


Adicione, também, a pimenta.


Quando o feijão já estiver bem quentinho, apague o fogo e junte a farinha de mandioca e a farinha de milho.


Dê uma mexida, para misturar os ingredientes e junte o cheiro verde.


Mexa novamente, para deixar a mistura uniforme.
Voilà, está pronto, moçada!

Fica uma delícia, podem acreditar e, melhor, experimentar.
Nesse dia, nós servimos o feijão tropeiro, com arroz branco, como acompanhamento de tirinhas de carne ao molho de mostarda. Bom demais!


Como é uma receita bastante presente em muitos lugares do brasil (conforme já mencionado lá no início deste post), você poderá encontrar inúmeras variações.
Vamos mencionar duas:
a) você pode substituir essas linguicinhas defumadas por linguiça de pernil de porco... fica muito bom! Neste caso, eu prefiro colocar a linguiça para aferventar antes, para só depois cortá-la em rodelas e, enfim, colocá-la pra fritar. Dá um pouco mais de trabalho, mas fica muito gostoso.
b) você pode fritar os ovos em uma frigideira separada, com um fiozinho de óleo. Isso vai permitir que você trabalhe este passo com mais calma, deixando o ovo mais inteiro... ou seja, você terá pedaços maiores e mais fáceis de se identificar de clara e gema no resultado final, e isso também fica muito bacana.
Como sempre, estão todos convidados a participar!
No final das contas, a cozinha aqui é de todo mundo!
Um abração e "inté",

Thiago "Virgulino"

Nenhum comentário:

Postar um comentário